A volta de Prison Break: cinco motivos para assistir a série

122406

por Janaina Pereira

Sucesso na década passada, Prison Break se tornou uma série memorável não só pelo ótimo roteiro, mas também por reunir um elenco afiado, com personagens pelos quais a gente torcia, ou adorava odiar. Entre 2005 e 2009 a série conquistou milhares de fãs do mundo inteiro, e anos depois causou furor quando chegou à Netflix, fazendo com que uma nova geração, que era muito jovem quando as quatro temporadas foram exibidas originalmente, pudessem descobrir a saga do genial Michael Scofield  (Wentworth Miller).

Se você nunca viu Prison Break, e não gosta de spoillers, pare por aqui. Mas, se está curioso, então vamos lá: tudo começou quando o engenheiro civil Michael Scofield rouba um banco e vai parar em Fox River, prisão de segurança máxima em que seu irmão Lincoln Burrows (Dominic Purcell) está no corredor da morte, acusado de matar o irmão da vice-presidente dos Estados Unidos. Já no episódio piloto descobrimos que Michael armou, durante um ano, um plano detalhado para tirar o irmão da cadeia.  O que acontece a partir daí é uma das melhores primeiras temporadas de séries, com reviravoltas e uma trama super inteligente, que nos prende do começo ao fim.

Foram apenas quatro temporadas, o suficiente para fazer de Prison Break um fenômeno na televisão. Bem antes de Game of Thrones ou The Walking Dead, Michael Scofield e cia. faziam a audiência bombar. Mas o que é bom fica para sempre, e a série foi parar no catálogo da Netflix, conquistando novos fãs, principais responsáveis pelo retorno depois de um hiato quase oito anos. O reencontro de Wentworth Miller e Dominic Purcell em outra série – Legends of Tomorrow – também reacendeu no imaginário do público a possibilidade de vê-los juntos novamente como os irmãos Michael e Lincoln. Não deu outra: Prison Break está de volta.

Hoje, 4 de abril, o canal Fox estreia – simultaneamente com os Estados Unidos –  a quinta temporada de Prison Break. Por aqui o primeiro episódio vai ao ar às 23h. Serão apenas nove episódios, que tem uma pergunta muito importante para responder: como Michael Scofield está vivo se vimos sua lápide no final da quarta temporada? Pois é, a morte de Michael – contada com poucos detalhes no telefilme The Final Break, exibido depois do fim da série – foi a notícia mais dolorosa para os fãs, que nunca se conformaram com esse desfecho. Saber que ele está vivo é um alento, mas o que será que nos aguarda nesta nova temporada?

Se você ainda precisa de motivos para assistir a Prison Break, listei cinco razões que tornam a série uma das melhores coisas que já passaram na TV.  Vem fazer parte do fã- clube de Michael e Lincoln você também!

1- As tatuagens de Michael Scofield

tatoo michael

Ele é inteligente, esperto e tem um coração maior que o mundo. Michael Scofield (Wentworth Miller) parece estar sempre pensando em uma maneira de concertar tudo a seu redor, ajudar os amigos e salvar seus amores. Mas, o que seria dele sem aquele corpo tatuado hein? A ideia de tatuar a planta de Fox River nos braços, tronco e costas, para ajudar na fuga de seu irmão Lincoln Burrows (Dominic Purcell), é sensacional. Além disso, as tatuagens mostram rotas de fuga fora do presídio e outros detalhes do plano pensado por Michael para livrar Lincoln da pena de morte. Uma grande sacada do roteiro, que diz muito sobre o cérebro genial de Scofield.

2 – As fugas

landscape-ustv-prison-break

Passamos toda a primeira temporada aguardando a fuga de Michael e Lincoln de Fox River – e quando ela aconteceu, foi uma das melhores cenas da televisão. Fugir parece estar no DNA dos irmãos, que continuam sendo perseguidos, presos e fugindo (de novo e de novo) nas temporadas seguintes. Na terceira temporada, quando Michael vai parar em Sona, presídio nebuloso do Panamá, esperamos novamente uma fuga espetacular e os roteiristas não nos decepcionam. Já aguardamos ansiosamente a fuga desta quinta temporada.

3 – Família, amor e amizade

prison_break_sara

Na primeira temporada percebemos de cara o quanto Michael é solitário e tímido. Apegado ao irmão, que o criou desde a morte da mãe e do sumiço do pai, ele abre mão de sua liberdade para salvar Lincoln. Aos poucos, percebemos que Michael também é um cara solidário e de bom caráter, capaz de abrir mão de sua felicidade em favor do próximo. E assim Prison Break constrói uma bela história de amor e amizade, não só entre Michael e Lincoln – tão diferentes, mas tão dedicados um ao outro – como entre Michael e Sucre (Amaury Nolasco), seu companheiro de cela, e Michael e Sara (Sarah Wayne Callies), a médica de Fox River que se torna o grande amor do protagonista. Ao longo das quatro temporadas, Michael ainda salva algumas vidas pelo caminho, sempre colocando o outro em primeiro lugar.

4 – Os vilões

prison-break 1

O que seria de Prison Break sem os vilões? Além de termos um novo a cada temporada (geralmente perseguindo Michael), o maior deles, T-Bag (Robert Knepper), está de volta nesta nova fase da série. O pedófilo, que desde a primeira temporada persegue Michael e tenta participar de suas fugas – sempre levando a pior no final – é quem descobre que Scofield ainda está vivo (uma das poucas coisas que sabemos sobre a temporada que começa hoje). Outra curiosidade sobre os vilões de Prison Break é que muitos deles mudam ao longo da história, se redimindo de suas maldades. Foi o que aconteceu com Mahone (William Fichtner), que persegue Scofield e Burrows durante toda a segunda temporada, até ficar amigo dos irmãos no final; e o temido guarda Brad Bellick (Wade Williams), que faz de tudo para transformar a vida dos prisioneiros de Fox River em um inferno, mas depois de ser preso na terceira temporada, tem sua redenção.

5 –  As reviravoltas do roteiro

prison

Em Prison Break nada é o que parece. Personagens aparentemente bacanas podem virar vilões pelos mais diversos motivos; conspirações são tramadas da noite para o dia; os mocinhos também possuem dilemas morais e os vilões podem se redimir.  Isso sem falar que a morte não é o fim – já tivemos algumas voltas memoráveis do túmulo, como a de Sara e a de Cristina, a mãe de Michael e Lincoln (ambas na quarta temporada). A cada episódio a série traz uma trama própria, que pode mudar de rumo no episódio seguinte. Apoiada em um bom elenco, que defende muito bem seus personagens, a gente se vê torcendo para o guarda Bellick se ferrar na primeira temporada; mas na terceira já estamos com pena dele. Por isso a expectativa para a quinta temporada é imensa, afinal, os roteiristas mataram nosso herói e esperamos a redenção justa para Scofield. E com final feliz dessa vez, claro!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s